christianEstudo mostra que geração aumenta, mas aproveitamento não acompanha. A geração de resíduos em Porto Alegre cresceu 30% em seis anos — desde 2008 até 2014 — passando de 0,86 kg para 1,12 kg por pessoa, por dia, em média. Apesar da coleta seletiva, uma ínfima parte, apenas 4,6% de todos os recicláveis, são efetivamente aproveitados. Todo o resto se perde.

Os dados estão em estudo realizado pelo professor Christian Silva, da Universidade Tecnológica Federal Paraná (UTFPR) e serão apresentados no 7º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos nesta sexta-feira, 17, às 16h30.  O evento ocorre na sede do Ministério Público do Estado (av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80, Praia de Belas, Porto Alegre).

O estudo, desenvolvido em parceria com o CNPq e com o Observatório da Política Nacional de Resíduos Sólidos, mostrou ainda que o principal material reciclado na capital gaúcha é papel e papelão (58%), seguido do plástico (17%) e vidros (15%). A pesquisa indica, segundo Christian, “a necessidade de uma política de educação ambiental contínua e maior integração da sociedade com toda a cadeia de resíduos para dispor de mais resíduos para reciclar”.

O estudo relativo a Porto Alegre integra pesquisa mais ampla que pretende avaliar os planos municipais de resíduos em todas as capitais da Federação. O objetivo é checar se os municípios atendem às premissas da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

O professor Christian Silva estará disponível para entrevistas a partir desta quinta, 16 de junho, no telefone (41)88342351.

Mais informações: www.observatoriopnrs.org