RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DIAGNÓSTICO NA MICRORREGIÃO DE CERES DE GOIÁS.

  • Izabel Cristina Bruno Bacellar Zaneti Centro de Desenvolvimento Sustentável-Universidade de Brasília

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar um diagnóstico realizado sobre a questão dos resíduos sólidos urbanos e a sua disposição final na Microrregião de Ceres de Goiás. Visa identificar se a Educação Ambiental está presente nos Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos  e se atua como um instrumento de transformação nos processos de gestão dos resíduos sólidos. A metodologia adotada foi o estudo de caso e os instrumentos foram a pesquisa documental e entrevistas. Os dados disponíveis sobre resíduos sólidos nos municípios da microrregião são poucos e vagos. Verificou-se que dos 22 municípios que compõem a microrregião de Ceres de Goiás, apenas Goianésia possui aterro sanitário em funcionamento cumprindo o que versa a Política Nacional dos Resíduos Sólidos (2010); 4 tem aterro controlado, 17 municípios possuem lixão e destes, 13 participam da iniciativa do “Consórcio Intermunicipal do Vale do São Patrício” que está com as obras paradas por falta de verbas. A falta de um sistema de gerenciamento e tratamento integrado efetivo de resíduos sólidos prejudicam a microrregião causando poluição e uma situação caótica. A EA é contemplada em seis planos municipais, mas na prática ela é reduzida a projetos e programas, em campanhas vinculadas a datas comemorativas não integradas as ações dos Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos e, portanto, não atua como instrumento de transformação de hábitos e atitudes da comunidade.

Publicado
2019-06-14