RESÍDUO DE COCO VERDE NA CIDADE DE JOÃO PESSOA

  • Sarah I. S. Silva PRODEMA, Universidade Federal da Paraíba

Resumo

A geração de resíduos sólidos desencadeia uma problemática mundial devido aos altos volumes gerados. Os volumes de resíduos de coco verde têm chamado atenção em todo país. De acordo com o IBGE, no ano de 2017 foram produzidos aproximadamente 1,8 milhões frutos, sendo a região Nordeste responsável por 75% da produção. No Brasil, uma das alternativas para a minimização desse impacto são os aterros sanitários. Diante desse cenário, esse trabalho realizou um levantamento de dados sobre a geração de resíduo de coco verde na cidade de João Pessoa através da aplicação de um questionário que compreende questões quantitativas e qualitativas sobre o coco comercializado na cidade de João Pessoa, a responsabilidade na geração de resíduos e identificou que todo esse resíduo é destinado ao aterro sanitário, comprometendo a vida útil do mesmo e impactando ambientalmente através de vetores e geração de gases no aterro. Os dados compilados de uma amostragem de 20 pontos distribuídos em três bairros da cidade apontam uma estimativa de 170 mil unidades de coco comercializados, sendo esse número muito maior quando dimensionado todos os pontos de comércio de coco verde na cidade de João Pessoa.

Biografia do Autor

Sarah I. S. Silva, PRODEMA, Universidade Federal da Paraíba

 Autores

Sarah I. S. Silva1 (sarahidnts@gmail.com),

Larissa C. S. Medeiros1 (larissa_503@hotmail.commail),

Amanda D. Gondim2 (amandagondim.ufrn@gmail.com),

Angela M.T. M. Cordeiro3 (atribuzycordeiro@gmail.com ),

Nataly A. Santos,,1,3 (natalyjp@gmail.com)

 

1 PRODEMA, Universidade Federal da Paraíba

2 Instituto de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

3 Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal da Paraíba

Publicado
2019-06-14