GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE NA UFPE: IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO

  • Camila Claudino de Souza Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Os resíduos de serviço de saúde são classificados pela legislação como perigosos, e por tais características oferecem elevado risco ambiental se manipulados e descartados inadequadamente. Em universidades, esses resíduos são gerados em atividades de ensino, pesquisa e extensão. No Brasil, a  legislação aborda o gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) visando minimizar a sua geração e realizar o descarte seguro e ambientalmente correto. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo retrospectivo das atividades realizadas no campus Recife da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) em relação aos RSS, a partir da implantação da gestão e monitoramento desse tipo de resíduo. Atualmente, existem no campus Recife 179 laboratórios que geram RSS, sendo 57% pertencentes ao Centro de Biociências (CB), 34% ao Centro de Ciências da Saúde (CCS) e os demais (9%) a outros centros. A coleta, segregação e transporte desses resíduos são realizados por funcionários treinados, que coletam os resíduos nas unidades geradoras e os transportam para o abrigo central, onde uma empresa terceirizada realiza o transporte externo, e encaminha o resíduo para tratamento e destinação final. Desde 2014, é realizado o acompanhamento da geração destes resíduos na UFPE – campus Recife. Os dados revelam um aumento quantitativo na coleta dos RSS a partir de setembro de 2016. Para auxiliar a gestão destes resíduos, foi disponibilizado no site da instituição um manual com orientações sobre manejo, segregação, coleta e transporte de RSS. Adicionalmente vem sendo realizados cursos de capacitação para a comunidade acadêmica a fim de consolidar e aprimorar ações de educação ambiental, melhorando a logística do gerenciamento no campus e proporcionando uma maior consciência ambiental na gestão dos RSS na instituição.

Biografia do Autor

Camila Claudino de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Camila Claudino de Souza1 (camila4932@gmail.com), Taciana Barros e Silva1 (taciana.bsilva06@gmail.com), Maria de Fátima Morais Xavier1 (xavierfatima@gmail.com), Sabrina de Oliveira Pinto Muniz Ferreira2 (sabrina.yeshua@hotmail.com), Maria Betânia Melo de Oliveira1 (maria.bmoliveira@ufpe.br)

1 Universidade Federal de Pernambuco

2 Instituto Federal de Pernambuco

Publicado
2019-06-14