GESTÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS: UMA ANÁLISE ENTRE O ASPECTO ECONOMICO ATUAL BRASILEIRO E A DESTINAÇÃO FINAL PARA COPROCESSAMENTO

  • Bruna Mantovani Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG
  • Gabriela Cavion Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG
  • Robson Bonatto Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG
  • Vanessa dos Santos Dutra Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG
  • Raquel Finkler Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG

Resumo

A geração de resíduos sólidos industriais (RSI) tem recebido cada vez mais atenção, principalmente quando se trata da cobrança dos órgãos ambientais e a necessidade de uma destinação ambientalmente correta, conforme previsto pela Lei nº 12.305 (BRASIL, 2010), a qual institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). O processo de coprocessamento é de grande importância para o tratamento final dos resíduos industriais, reduz a massa de resíduos e tem um potencial valor econômico. Com isto, o presente artigo tem como objetivo verificar a relação da economia brasileira diante do manejo dos resíduos industriais para este tipo de tratamento. Sendo assim, são apresentados os principais conceitos, legislações relacionadas a destinação de resíduos sólidos e também indicadores econômicos fundamentais. O artigo foi desenvolvido através de pesquisa bibliográfica e com base nos resultados dos dados econômicos do Brasil. Ao final, constatou-se diminuição da massa de RSI para coprocessamento, porém uma redução não tão significativa quanto ao impacto econômico.

Palavras-chave: Resíduos sólidos industriais; Economia; Coprocessamento.

Biografia do Autor

Bruna Mantovani, Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG
Experiência profissional da área de Engenharia Ambiental, onde já atuei como Analista Ambiental em uma Consultoria durante 3 anos e atualmente Estagiária do setor de Meio Ambienta da empresa automotiva Agrale S/A. Formação em Engenharia Ambiental com previsão de conclusão em 2018/2.
Publicado
2018-06-27