A DESTINAÇÃO DO ÓLEO DE COZINHA USADO NA ZONA URBANA E RURAL DO MUNICÍPIO DE TURUÇU-RS

  • Carina Costa Estrela Universidade Federal de Pelotas
  • Adriana Schneider CAVG/IFSUL
  • Vitor Emanuel Quevedo Tavares PPG MACSA/FAEM/UFPel

Resumo

O óleo de cozinha usado é um dos resíduos que compõem os resíduos sólidos urbanos, com grande potencial poluidor pode acarretar contaminação no solo e na água de acordo com o descarte proporcionado, podendo causar prejuízos ambientais, prejuízos econômicos para o poder público e para a própria sociedade. Para identificar as formas de descarte de óleo de cozinha na zona urbana e rural de Turuçu-RS, buscando auxiliar no enfrentamento aos impactos ambientais deste resíduo, foram utilizados dados obtidos por meio de questionários, aplicados para a elaboração do diagnóstico do Plano Municipal de Saneamento Básico de Turuçu-RS. Foram aplicadas entrevistas em 371 residências abrangendo um total de 1.171 habitantes que representam 32,63% da população, onde foi verificado que em 7,3% das residências o descarte do óleo de cozinha usado é encaminhado a pontos de coleta; em 15,2% entregue à coleta pública de lixo; em 5,2%, feito sabão caseiro; em 21,1% o óleo de cozinha usado é descartado no próprio pátio; 15,2% descartam diretamente na pia da cozinha; 3,5% descartam o resíduo diretamente em sanga ou córrego; 0,3% dos entrevistados responderam que descartam no vaso sanitário e; em 32,2% o óleo de cozinha é usado na alimentação de animais domésticos. Concluiu-se que em 27,7% dos entrevistados as ações adotadas quanto ao descarte do óleo de cozinha podem ser consideradas adequadas e em 72,3% as medidas de descarte adotadas podem ser consideradas inadequadas.

Palavras-chave: Óleo de cozinha usado; Resíduos sólidos urbanos; Contaminação de recursos hídricos.

 

Biografia do Autor

Carina Costa Estrela, Universidade Federal de Pelotas
Ecóloga, formada pela UCPel (1999), Especialista pela UFPel/UFRGS em Gestores Regionais de Recursos Hídricos (2006) e pela ULBRA em Gerenciamento Ambiental (2011), é Mestre pela UFPel (Variabilidade Espacial e Temporal da Qualidade da Água de Irrigação do Morangueiro) em 2008. Doutoranda no PPG Manejo e Conservação da Água e do Solo, pela UFPel. Foi professora na Universidade Católica de Pelotas, Coordenadora dos Cursos de Graduação em Ecologia e Engenharia Ambiental (proposta de 1ª Edição) além de coordenadora do curso de Pós-Graduação em Consultoria e Licenciamento Ambiental. Possui experiência, na administração pública municipal, consultoria ambiental, e ecologia de estradas através da participação em programas ambientais na construção de rodovias em gestão ambienta; docência no ensino superior; além de experiência em projetos de pesquisa envolvendo coleta, análise à campo e em laboratório e, monitoramento da qualidade de água, análise de fontes de captação de água para irrigação e conservação de recursos hídricos. Desenvolve atividades nas linhas de educação ambiental, gestão ambiental, Elaboração e implementação de Planos Ambientais, gerenciamento de resíduos sólidos urbanos, licenciamento ambiental, gestão de recursos hídricos.
Publicado
2018-06-27