VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE BIODIGESTOR NO ABATEDOURO E FRIGORÍFICO RIO MARIA

  • Naiane Machado Santos Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Maria Luisa Barbosa Pontes Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Paulo Henrique Nascimento de Souza Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Claudio Santos da Silva Filho Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Eduardo Rocha Cardoso de Oliveira Universidade Federal Rural da Amazônia

Resumo

Visto a grande importância das discussões sobre resíduos sólidos depois da implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, é muito interessante que se façam estudos em que se busque alternativas para o melhoramento da gestão dos resíduos que una soluções ambientalmente adequadas e também economicamente viáveis para rejeitos. Nesse contexto, pode-se mencionar a atividade de abate de bovinos como uma grande geradora de resíduos orgânicos com alto potencial de causar impactos negativos ao meio ambiente. Este trabalho busca destacar a importância da aplicação das tecnologias ambientais na indústria nacional, propondo-se mensurar a viabilidade de implantação de um biodigestor no Frigorífico Rio Maria usando os resíduos para obter energia. Para isso, foram utilizados os trabalhos de Zanin et al. (2009) e de Oliveira (2009), além de coleta de informações do banco de dados do site Portal Transparência. Por fim, concluiu-se que o retorno do investimento levaria um prazo de um pouco mais de 6 anos. Também, ressalta-se que o investimento proporciona um ganho ambiental, evitando a emissão de gás metano e liberando apenas o gás carbônico, que é menos nocivo.

Palavras-chave: Energias renováveis, biodigestor, frigorífico.

Biografia do Autor

Naiane Machado Santos, Universidade Federal Rural da Amazônia
Graduanda em Engenharia Ambiental e Energias Renováveis pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).
Maria Luisa Barbosa Pontes, Universidade Federal Rural da Amazônia
Graduanda em Engenharia Ambiental e Energias Renováveis pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).
Paulo Henrique Nascimento de Souza, Universidade Federal Rural da Amazônia
Graduando em Engenharia Ambiental e Energias Renováveis pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).
Claudio Santos da Silva Filho, Universidade Federal Rural da Amazônia
Graduando em Engenharia Ambiental e Energias Renováveis pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).
Eduardo Rocha Cardoso de Oliveira, Universidade Federal Rural da Amazônia
Graduando em Engenharia Ambiental e Energias Renováveis pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).
Publicado
2018-06-27