APLICAÇÃO DE SIG PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS DA CATEGORIA POTENCIAL DE AQUECIMENTO GLOBAL: GESTÃO DE ROTAS DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS

  • João Pedro Sandri Kessler Unisinos
  • Regina Célia Espinosa Modolo Universidade do Vale do Rio dos Sinos http://orcid.org/0000-0001-7088-2502
  • Carlos Alberto Mendes Moraes Unisinos
  • Adriane Brill Thum Unisinos

Resumo

O transporte de resíduos sólidos até as centrais de tratamento por vezes ocorre a longas distâncias, o que promove a geração de emissões atmosféricas poluentes provenientes dos escapes dos automóveis. O objetivo deste estudo é o uso de mapeamento de rotas através de um Sistema de Informação Geográfica (SIG) na gestão de rotas de transporte de resíduos sólidos visando a quantificação de emissões atmosféricas do transporte de forma a minimizar os impactos ambientais na perspectiva da avaliação de impacto ambiental. A metodologia utilizada baseia-se na criação de um Sistema de Informação Geográfica (SIG) para a realização do mapeamento das rotas de transporte de resíduos sólidos de uma amostra de 108 municípios do estado do Rio Grande do Sul,  Brasil. No mapeamento considerou-se os municípios de origem do resíduo até a destinação final (centrais de tratamento de resíduos (CTR)) nos municípios de Minas do Leão e São Leopoldo – RS. Com o uso do Software ArcMap 10.2.2 e uma base de dados georreferenciada das rodovias e divisões políticas do estado, foram mapeadas as rotas com menor distância de cada município até as CTR, e com estes dados foram calculadas as distâncias percorridas e o teor de emissões atmosféricas de CO2 equivalente. Os resultados obtidos demonstram que no cenário atual, ou seja, oposto ao ideal, são emitidas aproximadamente 3300 toneladas de CO2eq/ano. Contudo, o cenário previsto utilizando o georreferenciamento, demonstra uma redução de aproximadamente 35% no nível destas emissões. Portanto, o uso do SIG mostra-se eficiente como um instrumento de apoio ao planejamento e tomada de decisão na escolha da melhor rota para o transporte de resíduos, possibilitando a redução de emissão de gases de efeito estufa. Ao serem utilizadas as rotas de menor distância definidas previamente à coleta dos RS, promover-se-á a minimização dos impactos ambientais causados pelos poluentes atmosféricos do transporte desses resíduos, não só, diretamente relacionados às alterações climáticas, como o efeito estufa, como também, promover a melhoria da qualidade do ar. Além disso, os dados obtidos podem ser usados como elementos na construção e interpretação de inventários para avaliação de impacto em estudos de ciclo de vida de produto e gerenciamento municipal de resíduos.

Palavras-chave: Resíduos Sólidos, SIG, emissões atmosféricas.

Biografia do Autor

Regina Célia Espinosa Modolo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003), mestrado em Gestão Ambiental, Materiais e Valorização de Resíduos pela Universidade de Aveiro (2006) e doutorado em Ciências e Engenharia do Ambiente pela Universidade de Aveiro (2014), ambos revalidados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2015). Coordenadora do curso de Bacharelado em Engenharia Agronômica e Professor Colaborador Assistente I no Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e da Escola Politécnica da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tem experiência na área de Gestão e Engenharia Ambiental, com ênfase em resíduos sólidos industriais (RSI), reciclagem, análise de ciclo de vida (ACV) e indicadores de sustentabilidade socioambiental. É membro do Núcleo de Caracterização de Materiais (NuCMat/Unisinos/Brasil). Desenvolve pesquisa nas áreas de Gestão Ambiental Aplicada (Ferramentas Avançadas em Gestão Ambiental), Reuso e Reciclagem de Resíduos Sólidos Industriais, Análise de Ciclo de Vida, Indicadores de desempenho ambiental, e relatórios de sustentabilidade.
Publicado
2018-06-27