COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS DE EQUIPAMENTOS DA CADEIA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: O CASO DO REFLORESTAMENTO NO LIMITE DO ATERRO SANITÁRIO E O PARQUE DO GUARACIABA.

  • Robson da Silva Moreno Departamento de Resíduos Sólidos do Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André.

Resumo

O presente trabalho relata uma experiência em curso com bases em planos e projetos elaborados a mais de mais de uma década e que estão devidamente interligados: a ampliação da área de disposição final do Aterro Sanitário da Central de Tratamento de Resíduos de Santo André-SP (CTR) e a sua consequente compensação ambiental, utilizada para o reflorestamento dos limites norte do Parque do Guaraciaba (vizinho ao sul da CTR). Cabe ressaltar que tanto o aterro, como o parque e seu lago são o resultado de antropizações realizadas nas últimas três décadas: o lago do parque é o resultado de uma mineração para extração de areia que encerrou suas atividades no início dos anos oitenta e o aterro, um local de disposição final de resíduos iniciado em 1986. Neste artigo abordamos questões de múltiplas escalas e abordagens: desde a necessidade de delimitar áreas para a compensação ambiental em nossas cidades, de definir qual compensação a ser utilizada (como exemplo, do paisagismo urbano ao reflorestamento heterogêneo com espécies nativas); a consolidação de um corredor verde urbano na área limítrofe entre os municípios de Santo André e Mauá (ambos da Região Metropolitana de São Paulo –RMSP) onde está localizado o nosso objeto de estudo. O plantio segue os parâmetros estabelecidos pela Resolução da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA) nº 32/2014, cuja viabilidade se deu graças ao constante trabalho de formação e aperfeiçoamento de uma equipe que, originalmente, estava voltada para atividades de operação da CTR.

Biografia do Autor

Robson da Silva Moreno, Departamento de Resíduos Sólidos do Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André.

Autor(es) e instituição

Robson da Silva Moreno; (robsonsm@semasa.sp.gov.br)[1]

Naraísa Esteves Moura Coluna; (naraisamc@semasa.sp.gov.br

José Elídio Rosa Moreira; (joserm@semasa.sp.gov.br

Tarsila dos Santos Uchoa; (tarsilsu@semasa.sp.gov.br)¹,

Bruno Brito dos Santos; (brunobs@semasa.sp.gov.br)¹,

Kethilyn Cristine Lopes Freitas Cardoso; (kethilynlc@semasa.sp.gov.br).¹

Marialice Batelli Mugaiar; (mbmugaiar@santoandre.sp.gov.br)[2]

Antônio Mitsuo Ito; (ito@peraltaambiental.com.br)[3]

Ederson de Oliveira Teixeira (ederson@peraltaambiental.com.br

 

[1]  Departamento de Resíduos Sólidos do Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André.

[2]Departamento de Manutenção de Áreas Verdes da Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos da Prefeitura de Santo André.

[3]  Peralta Ambiental Exportação e Importação Ltda.

 

[1]  Departamento de Resíduos Sólidos do Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André.

[1]Departamento de Manutenção de Áreas Verdes da Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos da Prefeitura de Santo André.

[1]  Peralta Ambiental Exportação e Importação Ltda.

Publicado
2019-06-14